Agora é a vez dos homens...

quinta-feira, fevereiro 9

Alimentação na Terceira Idade

A alimentação correta é um dos fatores que tem maior influencia na saúde e no bem estar. Múltiplos fatores contribuem para a má nutrição dos idosos: dificuldade para engolir alimentos sólidos, devidos doenças da garganta e do esôfago; perda ou diminuição da visão, do paladar e do olfato; problemas odontológicos como falta de dentes, próteses velhas e mal ajustadas, doenças da cavidade oral e das gengivas; problemas psico-geriátricos principalmente a depressão, a tristeza, o desânimo, a apatia e a solidão; o uso de muitas medicações ocasionando como efeito colateral a perda de apetite; anemia (deficiência de ferro e vitamina A); a falta de vontade de cozinhar, e condições econômicas reduzidas. Além disso, muitos idosos são obesos, porque a atividade física é reduzida, quando a necessidade energética (em calorias) do organismo cai e o corpo ganha mais gordura ao envelhecer.

Algumas recomendações simples, que podem ser postas em prática na sua próxima refeição devem ser abordadas. Faça delas motivo de mudança em seus hábitos alimentares.


Procure ingerir de seis a oito copos de água por dia, mesmo que, habitualmente, você esteja acostumado a consumir chás e sucos. Lembre-se de que a partir dos 60 anos aumenta a propensão da pessoa ficar desidratada. Beba muitos líquidos especialmente quando o tempo estiver quente. Esta regra é muito importante. A sede não é um sinal que traduza as necessidades orgânicas e, por isso, é importante beber mesmo quando não se tem sede. Beba água ou bebidas não açucaradas, como sucos ou chá. 

Alimente-se a cada três horas, alternando, entre uma refeição e outra frutas e chás. Realize, por dia, 3 a 5 refeições em horas certas; isto o ajudará a lembrar-se mais facilmente do que comeu e em que quantidade. Não coma demasiado, nem coma coisas que não são necessárias. Não tente fazer as dietas da moda. Elas não se ajustam às necessidades do idoso.
Verifique quais são os remédios que causam náuseas e azia, e peça para o seu médico programá-los para horários distantes das refeições. Use ervas, alecrim, salsinha, coentro, orégano e gengibre, entre outras, para acentuar o sabor dos alimentos, sem abusar do sal, mesmo que você não sofra de hipertensão. Não coma açúcar em excesso. Reduza as gorduras e os alimentos gordos. Não beba mais do que um copo de vinho ou de cerveja por dia, de preferência ao almoço.


A grande maioria de nossos idosos não tem dentes, e apenas 75% destes utiliza prótese dentária satisfatória o que geralmente dificulta a mastigação. Nesse caso os alimentos devem ser na sua maioria cozidos ou preparados de modo que a mastigação seja facilitada. Mas não esqueça de variar, pois estes tipos de alimentos contêm menos vitaminas, sais minerais e fibras. Passe a comer produtos mais macios, como ovos, lacticínios ou papas (feitas de arroz, massas, cereais). Coma alimentos que não seja necessário mastigar, como, por exemplo, sucos de fruta e de vegetais, ou coza o peixe, a carne e os vegetais até ficarem bem tenros e depois, se achar necessário, esmague-os ou pique-os. Privilegie pratos cremosos, como sopas e purês, além de carne moída, frango desfiado e peixes, panquecas, macarrão a bolonhesa, rocambole de carne moída e bolo com frutas.


A visão geralmente debilitada dificulta a escolha dos alimentos, no caso de se fazer as suas próprias compras, então sempre que possível vá as compras acompanhado. Na escolha do cardápio opte por preparações mais coloridas que possibilitem um melhor estímulo visual, que sabemos é muito importante.


Segundo o Ministério da Saúde devem-se seguir os 10 passos para uma alimentação saudável para idosos:

1º passo: Aumente e varie o consumo de frutas, legumes e verduras. Coma-os 5 vezes por dia.
2º passo: Coma feijão pelo menos 1 vez por dia, no mínimo 4 vezes por semana.
3º passo: Reduza o consumo de alimentos gordurosos, como carne com gordura aparente, salsicha, mortadela, frituras e salgadinhos, para no máximo 1 vez por semana.
4º passo: Reduza o consumo de sal. Tire o saleiro da mesa.
5º passo: Faça pelo menos 3 refeições e 1 lanche por dia. Não pule as refeições.

6º passo: Reduza o consumo de doces, bolos, biscoitos e outros alimentos ricos em açúcar para no máximo 2 vezes por semana.
7º passo: Reduza o consumo de álcool e refrigerantes. Evite o consumo diário. A melhor bebida é a água.
8º passo: Aprecie a sua refeição. Coma devagar.

9º passo: Mantenha o seu peso dentro dos limites saudáveis.
10º passo: Seja ativo. Acumule 30 minutos de atividade física todos os dias. Caminhe no seu bairro. Não passe muitas horas assistindo TV.
Lembre-se de que não existe o mito em que o idoso “come menos” ou “não tem apetite”. Uma alimentação saudável depende de quão prazerosa se torna esta atividade. Independente de patologias que necessitam de dietas, como hipertensão arterial, diabetes ou colesterol alto, ou dificuldades impostas pela sua idade, procure um profissional de saúde que estará apto a reconhecer tais obstáculos e ajudá-lo a manter a melhor qualidade de vida possível e merecida por você.
Dra. Roberta da Silva
CRMRS 27659
Médica em especialização em Geriatria
abraços,

Nenhum comentário:

Paz!